Evolução dos Modelos Atômicos – Dalton, Thomson, Rutherford e Bohr

evolução dos modelos atômicos

Os modelos atômicos são, desde muito tempo, alvo de curiosidade e bases para pesquisas. A ideia de que a matéria seria composta por partículas já vem sendo disseminada desde o século V a.C. pelos gregos. De acordo com Leucipo e Demócrito, elas eram caracterizadas por serem indivisíveis. Assim, eles nomearam estas partículas de átomos (a – não e tomo – partes).

Na antiguidade, o estudo da matéria e de sua composição tinha caráter filosófico. Dessa forma, tais ideias não puderam ser comprovadas naquela época. Foi a revolução científica que proporcionou meios para que fossem criados métodos de pesquisa sobre o assunto. Assim, foi em 1808 que o inglês John Dalton lançou a base para essa e outras teorias.

A criação de modelos atômicos não só gerou novos pontos de vista, mas também diversos conceitos que ainda são aplicados na química moderna. Pensando nisso, selecionados as informações mais importantes sobre esse assunto. Você vai notar como é fácil saber tudo sobre a evolução dos modelos atômicos.

Modelo atômico de Dalton

DaltonSegundo Dalton, o átomo era uma esfera maciça, indivisível e indestrutível. Sua proposta fazia analogia a uma bola de bilhar, e é assim que ficou conhecido o seu modelo. Além disso, os átomos para Dalton não possuíam carga e só se diferenciavam pelas propriedades, massa e tamanho.

De acordo com esta teoria, um elemento químico era formado por átomos iguais e os materiais eram resultado de diferente associações entre átomos iguais ou não. O princípio de Dalton dizia que “a matéria é formada por átomos, que são partículas minúsculas, maciças, esféricas e indivisíveis”.

modelo de Dalton

Modelo atômico de Thomson

ThomsonPor volta de 1898, Joseph John Thomson fez experimentos com um tubo de vidro fechado conhecido como ampola de Crookes. Essa ampola continha um eletrodo positivo e um negativo e nela, gases eram submetidos a altas voltagens e baixas pressões. Os eletrodos eram submetidos a uma grande diferença de potencial, produzindo uma luminescência que recebeu o nome de “raios catódicos”.

Por meio desta técnica, Thomson descobriu que a matéria era composta por partículas negativas. Ele entendeu que estes raios eram gerados pelo choque entre os elétrons e a parede de vidro do tubo. Assim, criou-se a ideia de que o átomo era uma esfera de carga positiva recheada de pequenas cargas negativas.

Essa teoria é conhecida como pudim de passas.  Ela diz que “o átomo é constituído por uma partícula esférica de carga positiva, não maciça, incrustada de elétrons, de modo que sua carga elétrica total é nula”.

modelo de Thomson

 

Modelo atômico de Rutherford

RutherfordErnest Rutherford foi um físico neozelandês que, em 1911, realizou um dos experimentos mais importantes para o campo da química. No experimento, partículas alfa (de carga positiva) de uma amostra de polônio foram arremessadas em uma fina lâmina de ouro. Esta lâmina ficava dentro de um bloco de chumbo com um orifício que permitia a passagem das partículas.

Portanto, Rutherford percebeu que as partículas alfa atravessavam o átomo porque ele é oco e não maciço. Concluiu também que algumas desviam sua trajetória porque passam próximas ao núcleo (região positiva) e sofriam repulsão. Outras partículas não atravessaram a lâmina de ouro, já que vão de encontro ao núcleo do átomo e são repelidas para trás.

experimento de rutherfordCom isso, Rutherford propõe que os elétrons fiquem situados ao redor do núcleo. Ele criou um modelo onde o átomo possui um núcleo pequeno e pesado onde ficam os prótons e nêutrons. Já os elétrons eram distribuídos na eletrosfera e giravam em torno do núcleo. Esse modelo ficou conhecido como sistema solar.

De acordo com esse pesquisador, “o átomo é descontínuo e é formado por duas regiões: o núcleo e a eletrosfera. O núcleo é denso e tem carga positiva, ou seja, é constituído de prótons. A eletrosfera é uma grande região vazia onde os elétrons giram ao redor do núcleo”.

modelo de rutherford

 

Modelo atômico de Bohr

BohrProcurando aprimorar o modelo de Rutherford, o cientista Niels Bohr propôs um modelo novo do átomo, no qual os elétrons circulam por órbitas específicas de acordo com sua energia. Assim, entendeu-se que a eletrosfera descoberta anteriormente era dividida em regiões definidas por camadas ou níveis.

Nos átomos conhecidos atualmente, encontramos elétrons distribuídos por sete camadas (K, L, M, N, O, P e Q). A energia das camadas aumenta à medida que se afastam do núcleo. Ao absorver energia, os elétrons saltam para camadas mais afastadas do núcleo em processos chamados de “saltos quânticos”. Em seguida, estes elétrons excitados retornam para suas camadas de origem.

Este modelo atômico ficou conhecido como “modelo de Rutherford-Bohr e seu postulado diz que “os elétrons movem-se em órbitas circulares e cada órbita apresenta uma energia bem definida e constante para cada elétron de um átomo”.

modelo de Bohr

Através dessa linha cronológica, você pode perceber como a pesquisa e a ciência evolui rapidamente, proporcionando cada vez mais entendimento sobre a matéria que constitui nós mesmos e o meio em que vivemos. Graças ao trabalho destes cientistas os modelos atômicos foram aperfeiçoados. Agora você pode mandar bem em  qualquer avaliação sobre este assunto.