5 mitos sobre o cérebro que se tornaram populares

mitos sobre o cerebro

Um dos maiores mitos sobre o corpo humano é o cérebro, seu funcionamento gera indagações nos estudiosos desde séculos antes de Cristo. Existem evidências que os egípcios já pesquisavam o sistema nervoso, contudo, o entendimento sobre esse tema avançou principalmente com a evolução dos mecanismos de pesquisa científica, como o microscópio. A cada passo que é dado em direção a compreensão do cérebro, descobre-se como este órgão atua como uma máquina com perfeição.

Por ser um grande assunto causador de questionamentos e dúvidas, o cérebro está relacionados com diversos mitos populares. A neurociência trabalha atualmente procurando desmitificar este assunto, assim, diversos problemas cognitivos e doenças neurais são entendidos. Para que você fique por dentro desse tema e saiba melhor sobre o cérebro, o Sala de estudos reuniu algumas informações equivocadas sobre seu funcionamento. Descubra a seguir os 10 mitos populares sobre o cérebro.

1 – O ser humano usa somente 10% da capacidade cerebral

As regiões do nosso cérebro são ativadas continuamente, para que possamos desempenhar diversas funções da nossa rotina. Tal fato pode ser facilmente constatado por exames como tomografias e ressonância magnética, onde o cérebro é avaliado em pleno funcionamento. Atividades, principalmente as complexas, requerem o funcionamento de múltiplas regiões do cérebro. O mito de que apenas 10% da capacidade cerebral é usada surgiu na década de 80, quando um anúncio de revista comentou que “você usa apenas 11% do seu potencial”. A partir disso a popularidade da informação foi se multiplicando, até ser reconhecida como é atualmente.

2 – O cérebro é uma massa cinzenta

Ao contrário do que a maioria das pessoas imaginam, a coloração real desse órgão é rosada. Este órgão possui grande quantidade de vasos sanguíneos que o circundam, por isso um cérebro saudável é pigmentado de acordo com a quantidade de sangue que possui em circulação. Além disso, esse órgão tem neuromelanina, um pigmento que se assemelha a melanina da pele e dos cabelos.

O mito de que o cérebro possui cor cinza está relacionado com a ação de produtos químicos como o formol. Estes produtos o deixam dessa cor ao ser armazenado para conservação. Além disso, o cérebro é dividido em duas regiões: o córtex, que possui a substância cinzenta, e uma região mais interna chamada profundidade, onde se localiza a substância branca. Essa classificação interfere no entendimento popular sobre a coloração do cérebro e é o motivo da origem dente mito.

3 – Álcool mata os neurônios

Image and video hosting by TinyPic

Diferentemente do que costumamos saber, o álcool não é responsável pela morte de células cerebrais. Na verdade, quando consumimos bebidas alcoólicas, suas substâncias vão diretamente para a corrente sanguínea. Ao chegar ao cérebro o álcool danifica a transmissão de sinapses entre os neurônios, diminuindo a capacidade de transmitir informações.

Portanto, o álcool não provoca a morte destas células, danificando somente sua comunicação por determinado período de tempo. É interessante lembrar que as bebidas alcoólicas interagem diretamente com o cerebelo, que é a parte do encéfalo responsável pela tonicidade muscular e pelos reflexos. Por isso o álcool afeta tanto o senso de distância e o bêbado perde a coordenação motora e o equilíbrio. Vale lembrar que o álcool, se consumido em grandes quantidades pode levar a uma perda de memória temporária.

4 – A inteligência corresponde ao tamanho cerebral

Um dos maiores mitos sobre este tema é o que determina que a quantidade de inteligência está relacionada ao tamanho do cérebro. O tamanho do cérebro, entretanto, não indica o nível de inteligência que uma pessoa tem. Realmente, tamanho não é documento, anatomicamente a massa do cérebro de todos os seres humanos é equivalente. O diferencial em pessoas mais dotadas de inteligência é a quantidade de redes cognitivas mais eficientes. Estas redes possuem maior velocidade de transmissão de informações. Sendo assim, o peso e o tamanho do encéfalo não está relacionado com a quantidade de sabedoria, ou seja, pessoas inteligentes não possuem cérebros maiores.

5 – A razão vem do cérebro e a emoção vem do coração

Todos sabem, ou pelo menos deveriam saber, que o coração é um músculo de bombeamento, responsável por irrigar com sangue os órgãos e tecidos do corpo. O coração não afeta as emoções, pelo contrário, são as emoções que podem afetar o funcionamento deste órgão. Nossas experiências podem causar mudanças na pressão arterial, nos batimentos cardíacos e na circulação sanguínea. Sendo assim, são estes fatores que agem sobre o coração quando estamos emocionados. O grande responsável pelas sensações e emoções é o cérebro. Nele, ocorrem as sinapses de comando sobre como o corpo deve reagir de acordo com determinada situação. Por ele ocorrem os sinais para liberação de hormônios, que interagem diretamente com os sentimentos e com as atividades cardíacas.